O LIVRO

O LIVRO

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Nossa literatura - SER PAULISTA - Martins Fontes


José Martins Fontes

José Martins Fontes, poeta brasileiro, nascido na cidade paulista de Santos, às  17 h 30 min. em 23 de junho de 1884. Como médico, notabilizou-se como conferencista e foi tisiologista da Santa Casa de Misericórdia de Santos e destacado humanista. A partir de 1924 tornou-se correspondente da Academia de Ciência de Lisboa. Morreu em Santos em 25 de junho de 1937 e está sepultado no Cemitério de Paquetá, desta cidade.

Escreveu: Verão(1901); Rosicler; Vulcão; Marabá; Escarlate; Prometeu; O céu Verde; Arlequinada; Partida para Cítera; Boêmia Galante; Laranjeira em Flor; O Colar Partido; A Fada Bom-bom; A Flauta Encantada; Sombra; Silêncio e Sonho; No Templo e Na Oficina; Sevilha; Granada; Torres de Fanasia; Paulistânia;  Guanabara;Nos Rosais das Estrelas; Fantástica; Sol das Almas; I Fioretti; Canções do meu Vergel; e outros.

                                                  SER PAULISTA


Ser paulista! é ser grande no passado

E inda maior nas glórias do presente!

E' ser a imagem do Brasil sonhado,

E, ao mesmo tempo, do Brasil nascente.





Ser paulista! é morrer sacrificado

Por nossa terra e pela nossa gente!

É ter dó das fraquezas do soldado

Tendo horror à filáucia do tenente.





Ser paulista! é rezar pelo Evangelho

De Rui Barbosa — o sacrossanto velho

Civilista imortal de nossa fé.





Ser paulista em brasão e em pergaminho

É ser traído e pelejar sozinho,

É ser vencido, mas cair de pé!

Nossa literatura - POEMA: O SABIÁ DA MATA, França Pereira

                   


                  O SABIÁ DA MATA


        Alada flauta de cristal das matas,

        E que celebra a glória da manhã,

        Quem te ouvindo as cadências e volatas,

        Não cuida a flauta ouvir do grande Pã?



        Queixas da selva umbrosa e das cascatas,

        Saudades da caatinga e da rechã,

        Dissolves em noturnos e sonatas,

        Na basílica voz de Malibrã!



        E essa voz que, de sombra a luz se veste,

        Mais doce do que um verso de Virgílio,

        Que põe vozes do céu na avena agreste:



        Nem uma vez possui no mundo inteiro;

        É a voz da Pátria a soluçar, no exílio,

        Saudades do Nordeste Brasileiro!

O CANTO DO SABIÁ DA MATA 


Nossa pátria - RESERVA SERRA BONITA: ESPERANÇA NA MATA ATLÂNTICA

Serra Bonita

Casal condecorado com o título de Explorers pela National Geographic Society dedica a vida à conservação da Mata Atlântica.

“Acho que você deveria ler este artigo, vai te interessar”, disse minha esposa. Estávamos presos no trânsito na volta do feriado havia quase uma hora, com o carro parado na estrada. Sugeri a ela que lesse o artigo em voz alta, já que o rádio do carro não estava funcionando. Com poucos minutos ficou claro que o texto falava de uma pessoa especial, que havia dedicado uma vida à ciência e à natureza.

“Seja bem-vindo! Eu sou o Vitor”. Foi assim que conheci um dos maiores pesquisadores de lepidóptera do mundo. Vitor também é proprietário de uma grande reserva particular destinada à preservação da Mata Atlântica: a RPPN Serra Bonita, mais conhecida como Reserva Serra Bonita. Haviam passado menos de 30 dias entre meu contato por e-mail e nosso encontro na rodoviária de Camacã, no sul da Bahia. Subi na caminhonete 4x4 e rapidamente tomamos uma estrada de 16 km, sendo 6 km calçados em pedra, que nos levou para quase 1000 metros de altitude, em uma montanha coberta por uma densa floresta.

O sul da Bahia, outrora famoso pela economia cacaueira, viveu uma grande crise. Com o aparecimento do fungo Crinipellis perniciosa, causador da praga denominada “vassoura de bruxa”, houve uma queda de quase 50% na produtividade do cacau em toda a região, passando de 320 mil toneladas para menos de 190 mil toneladas, no fim dos anos 1980. Foi o declínio da forte cultura cacaueira, famosa por seus ricos coronéis e grandes latifúndios. Fazendas que rendiam $500 000 dólares ao ano passaram a dar prejuízo e foram abandonadas. A cidade de Camacã, uma das mais ricas do estado, viu sua população diminuir pela metade, pois toda sua estrutura baseava-se na plantação do cacau.


“Nós começamos a comprar terra aqui no fim dos anos 90. Com a chegada da praga, o valor da terra caiu muito, o que possibilitou a compra dos primeiros hectares. Começamos buscando as terras altas, mais preservadas e desvalorizadas, já que o cacau prefere terras mais baixas, no pé do morro”. Foi dessa maneira que o sonho do casal, Vitor Becker e Clemira Souza, começou a tomar forma. De 1997 a 2001, utilizando as economias de toda sua vida, o casal adquiriu 43 pequenas propriedades, totalizando 1020 hectares, unificou os títulos e obteve o reconhecimento da propriedade como RPPN, criando assim a Reserva Serra Bonita. “Gostaríamos de aumentar essa área e proteger toda a Serra Bonita, cerca de 7500 hectares”, diz o engenheiro agrônomo.

A cultura cacaueira foi a grande responsável pela colonização da região. Se não fosse por ela, a cidade de Camacã não existiria e as fazendas também não. Muito provavelmente seria um lugar inóspito, localizado entre a cidade de Ilhéus e Porto Seguro, ou até mesmo um grande pasto. No começo do século 20, as grandes cheias do rio Pardo e o declínio da produção de diamantes fizeram com que algumas famílias da cidade da Canavieiras buscassem novas terras. Subindo o rio até o encontro com um afluente, rio Panelão, as famílias foram plantando sementes de cacau até chegar na confluência com o ribeirão Panelinha, lugar de terras férteis, onde plantaram sua primeira roça. A cidade só começou a tomar forma algum tempo depois, quando em 1920 um fazendeiro cedeu parte de sua fazenda para a formação do primeiro núcleo urbano.

A  A região da RPPN Serra Bonita é muito úmida. Em algumas épocas do ano chove todos os dias. No inverno, é comum as partes altas da reserva ficarem envoltas em neblina.Foto: Fernando Lessa

O cacau (Theobroma cacao) é uma planta de origem amazônica. De fácil cultura, se adaptou bem a região, com seu clima quente e úmido. Sua produção é simples: fazer um buraco com o facão, colocar uma semente e uma pequena estaca marcando o local. Da sua região de origem, herdou o gosto por locais sombreados. Se não fosse o cacau, a restauração da mata seria impossível. “O cacau foi o vilão e virou o mocinho”, atesta um biólogo que estava na reserva para coletar espécimes para seu projeto de doutorado. Sua frase é real e rapidamente pude constatar. São poucos os lugares no Brasil onde é possível ver tantas árvores de grande porte. Aqui o eterno jacarandá-da-bahia (Dalbergia nigra) ainda é avistado em todo seu esplendor.

A cultura do cacau na Bahia é feita em um sistema de cultivo tradicional, onde as árvores crescem no meio da mata. Diferentemente de outros sistemas, esse permite a manutenção de grande parte da vegetação, assim como a preservação da camada de matéria orgânica que nutre e protege o solo. A roça é plantada entre as árvores e muitas vezes só se nota os cacaueiros pelos seus grandes frutos amarelos. “Na Serra Bonita nós preferimos não retirar as antigas plantas. Permitimos que os antigos proprietários colham os frutos e deixamos o mato crescer. A floresta se regenera rapidamente, diferentemente do que ocorre com outras culturas”, diz Vitor Becker. “Essa é uma das razões de termos comprado terras aqui. Ainda existem grandes árvores e várias manchas de floresta primária”.

Atualmente restam no Brasil aproximadamente 8% da cobertura vegetal original da Mata Atlântica. Uma vez submetida ao impacto, a cobertura vegetal nunca mais retorna ao seu estado natural. Removidas as grandes árvores, o sol atinge o solo com mais intensidade, a luz propicia o desenvolvimento de outras plantas, que não teriam chance nas sombras, mudando assim as características da vegetação. O substrato úmido seca, matando animais, fungos e bactérias responsáveis por degradar a matéria orgânica e interrompendo o ciclo de nutrientes. Com cuidado, dinheiro e trabalho pode-se restabelecer uma vegetação saudável, mas nunca igual.

“Quando mudamos para cá, alguns animais era muito raros”, diz Becker. “Os caititus eram raros. Das suçuaranas, restavam apenas lendas. As antas e o macaco muriqui haviam desaparecido há 50 anos. Assim como macacos-prego, papagaios, o bugio. Com o tempo a mata se restabeleceu. Hoje existe um grande bando de caititus, estimado em 40 indivíduos. As suçuaranas estão de volta e é comum encontrar pegadas até mesmo próximas ao Centro de Pesquisas. O próximo passo é iniciar a reintrodução de espécies extintas. “Passamos por quatro unidades de conservação da Mata Atlântica e nenhuma é tão rica quanto essa”, atesta um grupo de biólogos da Universidade federal da Bahia. Todos concordam.



A curiosa raposa-caranguejeira (Cerdocyon thous) aparece todos os dias próxima ao centro de visitantes. Antes rara, agora se multiplica pela mata. - Foto: Fernando Lessa

Em meu primeiro dia na Reserva Serra Bonita, saio para caminhar por uma curta trilha. A ideia é conhecer a mata de altitude, já quase extinta no meu estado de origem. Após 200 metros de trilha cortando uma floresta secundária bem estruturada, a vegetação muda totalmente. Troncos com mais de 2 metros de diâmetro cobertos de musgo pipocam por todos os lados. Uma grande floresta de samambaias brilha sobre os poucos raios de sol que penetram a floresta. Em outras regiões elas quase foram dizimadas, pois seu tronco era utilizado para confecção de xaxins. A trilha é íngreme e a quantidade de matéria orgânica faz com que os pés escorreguem o tempo todo. São tantos os cantos de pássaros e seus filhotes, que é difícil identificar as espécies. No chão, grilos e sapos disputam espaço com cogumelos e muito musgo. Devido a altitude, existem poucas formigas. O cheiro de matéria orgânica domina o ar úmido.

“Serrapilheira” é o nome que se dá a mistura de folhas, galhos e frutos que recobrem o solo. É ali que ocorre a ciclagem de nutrientes, além de abrigar animais, fungos e bactérias que fazem a decomposição de todo o material que cai no chão. Ela protege o solo da lixiviação, abriga as sementes até que germinem e proporciona isolamento térmico. Seu estudo permite analisar a quantidade de carbono que a floresta é capaz de sequestrar e o grau de conservação da mata.

As agroflorestas, sistema de cultivo onde se semeia a cultura em harmonia com a floresta, são novas; mas não na Bahia. Empregado com cacau, desde o século 18, o sistema tem até nome: cabruca. Por causa da rusticidade da planta, que não necessita adubos nem defensivos, as sementes são colocadas na terra e germinam em 6 dias. A produção começa após 3 anos e se torna economicamente viável após 6 anos. Diferentemente de outras culturas, o cacau não necessita de manutenção. O agricultor pode semear grandes áreas com pouco trabalho. Como a planta tem origem amazônica, a sombra das grandes árvores é bem vinda; o terreno já nasce pronto. Dessa maneira foi possível preservar as características da mata original, mantendo grandes árvores, e a cobertura vegetal. Estudos estimam que na cabruca, a quantidade de biomassa sobre o solo é quase igual da floresta primária, assim como a sua capacidade de fixar carbono. Visto da Reserva Serra Bonita, o entorno da cidade de Camacã é todo tomado por florestas, e ainda gera esperança.


O sistema de cabruca permite a integração de floresta com a agricultura. O cacau se destaca pelos grandes frutos amarelos - Foto: Fernando Lessa

Vitor e Clemira conheceram o lugar através das andanças de Vitor, que frequentava a região para coletar animais para seus estudos. “Aqui existem muitos bichos interessantes. Já coletei aproximadamente 5 000 espécies de mariposa na região”. Além de uma diversidade incrível de artrópodes, a Reserva Sera Bonita é a única reserva de mata atlântica habitada por uma família residente de harpias (Harpia harpyija). São animais raros e que eram considerados extintos na região. “Até hoje foram 3 avistamentos, sendo que eu vi duas vezes.”, diz Vitor.

As florestas de altitude, tipo de vegetação característica da região da Serra Bonita, são raras no Brasil. Quando em seu estado primário - existente na Serra - tem grandes árvores entremeadas com jardins de samambaias. Pela constante neblina, a umidade é muito alta, possibilitando lindos carpetes de musgos. Raras em outros lugares, as helicônias prosperam, assim como grandes bromélias. Recentemente uma nova espécie de bromélia foi descrita aqui, comenta o pesquisador.



Beija-flor


Até meados de 2015, a Reserva Serra Bonita recebeu mais de 500 pesquisadores, cujo trabalho gerou 32 publicações acadêmicas e a descrição de 21 espécies de fauna e flora novas para a ciência. A pesquisa científica na Reserva Serra Bonita é conduzida por universidades brasileiras e estrangeiras, e gerida por Vitor Becker, como atual Diretor de Pesquisas Científicas da organização sem fins lucrativos Instituto Uiraçu, também fundada pelo casal e atualmente presidida por Clemira Souza.

A Reserva Serra Bonita também abriga uma das maiores coleção de mariposas do Brasil. Fruto de uma carreira de dedicação e paixão de Becker, estão catalogados e organizados quase 300 000 espécimes, constituindo mais de 30 000 espécies. O acervo fica disponível para pesquisadores e em março de 2015 o casal realizou na Reserva Serra Bonita um curso internacional na área de lepidópteros, difundindo os conhecimentos na área.

Agraciados com o título de Explorers,concedido pela Fundação Buffet em parceria com a National Geographic Society, o casal tem dedicado sua vida à conservação da Mata Atlântica. Hoje a Reserva Serra Bonita conta com infraestrutura para receber visitantes e pesquisadores, e o Instituto Uiraçu atua juntamente com as prefeituras locais em programas de conscientização da população.

Através de doações obtidas pelo Instituto Uiraçu, a área protegida foi ampliada para cerca de 2500 hectares. “Nós pretendemos estender a área protegida aos 7500 hectares da Serra Bonita, e tornar a Reserva Serra Bonita autossustentável. Essa foi a forma de dar nossa contribuição à sociedade”, diz o casal entre um gole e outro de chimarrão. “Eu não acredito em argumentos utilitaristas de preservação. Nós preservamos simplesmente porque acreditamos que todos os seres vivos têm o direito de viver”, afirma Vitor Becker.

Fonte: NATIONAL GEOGRAPHIC BRASIL ONLINE   |   Por: Fernando Lessa



A Mata Atlântica ainda é a fonte de água doce de 80% da população brasileira, e embora conheçamos pouco sua biodiversidade, sabemos que é um dos biomas mais ricos da Terra, com mais de 3.500 espécies animais e mais de 20.000 espécies vegetais conhecidas para a ciência. Destas, mais de 500 espécies animais, e mais de 8.000 espécies vegetais, são endêmicas (só existem na Mata Atlântica).

Conheça o site http://www.serrabonita.org/


quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Data Comemorativa - DIA DA BANDEIRA NACIONAL



DIA DA BANDEIRA NACIONAL BRASILEIRA

Hoje, dia 19 de novembro comemora-se o dia da bandeira. Pouca gente se lembra que existe um dia da bandeira, mas essa data marca a criação da bandeira republicana através de um decreto no dia 19 de novembro de 1889. Todo ano, nesse dia, as bandeiras em mau estado devem ser incineradas, num procedimento feito pelas forças armadas.

Bom, a bandeira nacional tem, como você já deve ter notado, uma ligação muito estreita com a astronomia e eu queria aproveitar a data para contar algumas curiosidades sobre o "lábaro que ostenta estrelado".

Muitas bandeiras pelo mundo usam elementos de astronomia em seus desenhos, principalmente estrelas. Na grande maioria das vezes são estrelas que guardam algum significado, todavia estão fora de um contexto astronômico maior. Por exemplo a bandeira dos EUA. Cada estrela representa um estado americano, mas elas estão empilhadas, não formam constelações. Nesse quesito de constelações temos a bandeira da Austrália e da Nova Zelândia que ostentam o Cruzeiro do Sul estampados. No caso da Austrália a estrela Rigel Kentaurus, a alfa do Centauro, também dá as caras e o Cruzeiro em si tem 5 estrelas. Já a bandeira neozelandesa tem só o Cruzeiro em versão econômica, com 4 estrelas.

A bandeira do Nepal possui o Sol e a Lua, bandeiras de países islâmicos estampam uma estrela e uma Lua Crescente, como a bandeira da Argélia por exemplo. Na bandeira do Japão, o círculo vermelho representa o Sol.

Mas de todas as bandeiras nacionais, a nossa tem uma característica especial, as estrelas que estão estampadas nela não só estão organizadas em constelações, como também representam o céu no dia da proclamação da República! Nesse aspecto a bandeira brasileira deve ser única no mundo por carregar uma verdadeira carta celeste.

É assim.

As estrelas que figuram na bandeira nacional formam parte das constelações do céu na data de 15 de novembro de 1889. Mais precisamente, a bandeira exprime o céu do Rio de Janeiro às 08:30 da manhã, como se o observador estivesse fora da abóboda celeste, ou seja, o céu com aspecto invertido ao que vemos. Esse é o panorama do céu na data e hora acimas.




Crédito: Cássio Barbosa/Stellarium

Cada estrela da nossa bandeira representa uma unidade da federação, conforme a figura abaixo indica. Por exemplo, alfa do Cruzeiro (a Estrela de Magalhães) representa o estado de São Paulo, aliás todo o Cruzeiro do Sul representa os estados da região sudeste do país, exceto pela estrela gama do Cruzeiro (conhecida como Rubídea pela cor avermelhada) que representa a Bahia.

O Distrito Federal é representado pela estrela Sigma do Oitante, uma estrela muito fraca, no limite da visão humana de quarta magnitude. Essa estrela tem pouco destaque no céu austral, no que diz respeito ao seu brilho. Por representar a capital do país, seria esperado que a estrela escolhida fosse de primeira grandeza, mais brilhante, mas a escolha recaiu sobre ela por que ela é a estrela mais próxima do polo sul celeste. Dessa maneira todas as outras estrelas (ou estados no caso) vão girar em torno dela em seus movimentos aparentes.



Crédito: Wikipedia

Desde a sua criação, em 1889, o número e o simbolismo das estrelas foi alterado com a criação de novos estados, originalmente eram 21 estrelas. A estrela alfa da Hidra, que representava o antigo estado da Guanabara, passou a simbolizar o estado do Mato Grosso do Sul quando ele foi criado em 1979. A única estrela a figurar acima do lema "Ordem e Progresso" representa o estado do Pará. Isso por que em 1889, o Pará era o estado com cuja capital estava mais ao norte do país. Belém ainda continua lá, mas com a criação do estado de Roraima, Boa Vista agora ostenta este título. Aliás, é a única capital brasileira situada no hemisfério norte. A estrela que representa o Pará é Spica, alfa da constelação de Virgem e Roraima é representada por Wezen (delta do Cão Maior).

Mas o rigor astronômico passou longe da representação na bandeira.

Em primeiro lugar por quê representar o céu de dia, com estrelas que não se pode ver? O motivo geralmente aceito é que a proclamação da República tenha se dado perto desse horário. Os relatos dos fatos não são precisos quanto ao horário dos acontecimentos, Deodoro da Fonseca teria saudado a República ainda de madrugada e depois disso teria voltado para casa, daí para frente os relatos são imprecisos. Outra possível razão pode ser exclusivamente estética. Nesse horário, como vemos, o Cruzeiro do Sul está na posição vertical. Ao que parece, havia interesse dos republicanos que desenharam a bandeira para que o Cruzeiro estivesse em posição de destaque. Tanto é que se fossem mantidas as proporções entre as constelações presentes na bandeira, para o Cruzeiro ficar tão grande, o Escorpião precisou ser encolhido absurdamente, caso contrário só uma pequena parte dele estaria lá. Aliás, o Escorpião foi totalmente deformado nesse processo de encolhimento, ele é uma das constelações mais fáceis de se identificar no céu pela sua semelhança com um escorpião de verdade. Na nossa bandeira ele ficou quase irreconhecível.

Aliás, as constelações representadas na bandeira brasileira são (ainda que parcialmente): Virgem (uma estrela), Cão Maior (6 estrelas), Cão Menor (uma estrela), Hidra (2 estrelas), Carina (uma estrela), Cruzeiro do Sul (5 estrelas), Escorpião (8 estrelas), Triângulo Austral (2 estrelas) e Oitante (uma estrela). Inexplicavelmente, duas estrelas muito brilhantes e que acompanham o Cruzeiro tão de perto que são chamadas de 'Guardiãs do Cruzeiro' (alfa e beta do Centauro) não foram representadas.

Para finalizar esse 'fun with flags' nacional (entendedores entenderão), algumas curiosidades: a estrela mais brilhante do céu (e também na bandeira), Sírius, representa o estado do Mato Grosso. Amapá, Rondônia, Roraima e Tocantins, os quatro estados mais jovens da federação, ganharam estrelas da constelação do Cão Maior, respectivamente beta, gama, delta e épsilon. As estrelas mais brilhantes das constelações estampadas na bandeira, as alfas, representam os seguintes estados: Pará (Spica, Virgem), Amazonas (Procyon, Cão Menor), Mato Grosso do Sul (Alphard, Hidra), Mato Grosso (Sírius, Cão Maior), Goiás (Canopus, Carina), São Paulo (Estrela de Magalhães, Cruzeiro do Sul), Piauí (Antares, Escorpião) e Rio Grande do Sul (Atria, Triângulo Austral).



Artigo escrito por Cássio Barbosa, site G1.GLOBO

Nossa História - O QUILOMBO DOS PALMARES





O Quilombo dos Palmares foi um quilombo da era colonial brasileira. Localizava-se na Serra da Barriga, na então Capitania de Pernambuco, região hoje pertencente ao município de União dos Palmares, no estado brasileiro de Alagoas.
Durante todo o período em que a escravidão foi vigente, os cativos empreenderam formas diversas de escaparem daquela ordem marcada pela repressão e o controle. Dentre as várias manifestações de resistência, os quilombos, também conhecidos como mocambos, funcionavam como comunidades de negros fugidos que conseguiam escapar do controle de seus proprietários.

Sendo local de refúgio, os escravos escolhiam localidades de difícil acesso que impedissem uma possível recaptura. Além disso, os quilombos também eram estrategicamente próximos de algumas estradas onde poderiam realizar pequenos assaltos que garantissem a sua sobrevivência. Não sendo abrigo apenas de escravos, os quilombos também abrigavam índios e fugitivos da justiça.

Um dos quilombos mais conhecidos da história brasileira foi Palmares, instalado na serra da Barriga, atual região de Alagoas. O nome Palmares foi dado pelos portugueses, em razão do grande número de palmeiras encontradas na região da Serra da Barriga, ao sul da capitania de Pernambuco, hoje, estado de Alagoas. Os que lá viviam chamavam o quilombo de Angola Janga (Angola Pequena).

Palmares constituiu-se como abrigo não só de negros, mas também de brancos pobres, índios e mestiços extorquidos pelo colonizador. Os quilombos, que na língua banto significa “povoação”, funcionavam como núcleos habitacionais e comerciais, além de local de resistência à escravidão, já que abrigavam escravos fugidos de fazendas.
 Com o passar do tempo, Palmares se transformou em uma espécie de confederação, que abrigava os vários quilombos que existiam naquela localidade. Seu crescimento ocorreu principalmente entre as décadas de 1630 e 1650, quando a invasão dos holandeses prejudicou o controle sobre a população escrava.

A prosperidade e a capacidade de organização desse imenso quilombo representaram uma séria ameaça para a ordem escravocrata vigente. Não por acaso, vários governos que controlaram a região organizaram expedições que tinham por objetivo estabelecer a destruição definitiva de Palmares. Contudo, os quilombolas resistiram de maneira eficaz e, ao longo de oitenta anos, conseguiram derrotar aproximadamente trinta expedições militares organizadas com este mesmo objetivo.

Mediante a resistência daquela população quilombola e não mais suportando a exaustão das derrotas, o governador de Pernambuco, Aires Sousa e Castro, e Ganga Zumba, importante líder palmarino, assinaram o chamado “acordo de 1678” ou “acordo de Recife”. Por esse tratado, o governo pernambucano reconhecia a liberdade de todos os negros nascidos em Palmares e concedia a utilização dos terrenos localizados na região norte de Alagoas.

Alguns membros do Quilombo não aceitaram o termo estabelecido por Ganga Zumba, que acabou sendo envenenado por seus opositores quilombolas. A partir de então, o controle de Palmares passou para as mãos de Zumbi, que não aceitava negociar com as autoridades e preferia sustentar a situação de conflito. Com essa opção, estava traçado o caminho que culminaria na destruição deste grande quilombo.

Em 1694, sob a liderança do bandeirante paulista Domingos Jorge Velho, as forças oficiais começaram a impor a desarticulação de Palmares. Inicialmente, mesmo ocorrendo a destruição quase definitiva, Zumbi e alguns resistentes fugiram, se organizaram e continuaram lutando. No ano seguinte, Zumbi foi morto e degolado pelos bandeirantes, que enviaram a sua cabeça até Recife como símbolo maior da vitória contra os quilombolas palmarinos.



Atualmente, as lideranças do movimento negro brasileiro reverenciam a ação heroica dos palmarinos e prestigiam Zumbi como um símbolo de resistência. No dia 20 de novembro, mesma data em que Zumbi foi morto, é comemorado o Dia da Consciência Negra. Certamente, Palmares demonstra que a hegemonia da ordem escravocrata foi colocada em dúvida por aqueles indivíduos que negaram se subordinar ao status quo da época.


É simbólico que o Dia Nacional da Consciência Negra não tenha como marco a assinatura da Lei Áurea, que acabou com a escravidão no Brasil, mas não promoveu a justiça social no país. O dia 20 de novembro lembra, na verdade, a morte de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares e, muito mais do que um feriado prolongado, o dia simboliza uma luta secular por igualdade.



Quilombo dos Palmares hoje Alagoas e Pernambuco



Data comemorativa - 20 de Novembro - DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA





O Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro, foi instituído oficialmente pela lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011. A data faz referência à morte de Zumbi, o então líder do Quilombo dos Palmares – situado entre os estados de Alagoas e Pernambuco, na região Nordeste do Brasil. Zumbi foi morto em 1695, na referida data, por bandeirantes liderados por Domingos Jorge Velho.

A data de sua morte, descoberta por historiadores no início da década de 1970, motivou membros do Movimento Negro Unificado contra a Discriminação Racial, em um congresso realizado em 1978, no contexto da Ditadura Militar Brasileira, a elegerem a figura de Zumbi como um símbolo da luta e resistência dos negros escravizados no Brasil, bem como da luta por direitos que seus descendentes reivindicam.

Com a redemocratização do Brasil e a promulgação da Constituição de 1988, vários segmentos da sociedade, inclusive os movimentos sociais, como o Movimento Negro, obtiveram maior espaço no âmbito das discussões e decisões políticas. A lei de preconceito de raça ou cor (nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989) e leis como a de cotas raciais, no âmbito da educação superior, e, especificamente na área da educação básica, a lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que instituiu a obrigatoriedade do ensino de História e Cultura Afro-brasileira, são exemplos de legislações que preveem certa reparação aos danos sofridos pela população negra na história do Brasil.

A figura de Zumbi dos Palmares é especialmente reivindicada pelo movimento negro como símbolo de todas essas conquistas, tanto que a lei que instituiu o dia da Consciência Negra foi também fruto dessa reivindicação. O nome de Zumbi, inclusive, é sugerido nas Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana como personalidade a ser abordada nas aulas de ensino básico como exemplo da luta dos negros no Brasil. Essa sugestão orienta-se por uma das determinações da lei Nº 10.639, que diz no Art. 26-A, parágrafo 1º: “O conteúdo programático a que se refere o caput deste artigo incluirá o estudo da História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional, resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e política pertinentes à História do Brasil.”

A despeito da comemoração do Dia da Consciência Negra ser no dia da morte de Zumbi e do que essa figura histórica representa enquanto símbolo para movimentos sociais, como o Movimento Negro, há muita polêmica no âmbito acadêmico em torno da imagem de Zumbi e da própria história do Quilombo dos Palmares. As primeiras obras que abordaram esse acontecimento histórico, como as de Edison Carneiro (O Quilombo dos Palmares, Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 3a ed., 1966), de Eduardo Fonseca Jr. (Zumbi dos Palmares, A História do Brasil que não foi Contada. Rio de Janeiro: Soc. Yorubana Teológica de Cultura Afro-Brasileira, 1988) e de Décio Freitas (Palmares, a guerra dos escravos. Porto Alegre: Movimento, 1973), abriram caminho para a compreensão da história da fundação, apogeu e queda do Quilombo dos Palmares, mas, em certa medida, deram espaço para o uso político da figura de Zumbi, o que, segundo outros historiadores que revisaram esse acontecimento, pode ter sido prejudicial para a veracidade dos fatos.

Um dos principais historiadores que estudam e revisam a história do Quilombo dos Palmares atualmente é Flávio dos Santos Gomes, cuja principal obra é De olho em Zumbi dos Palmares: História, símbolos e memória social (São Paulo: Claro Enigma, 2011). Flávio Gomes procurou, nessa obra, realizar não apenas uma revisão dos fatos a partir do contato direto com as fontes do século XVI e XVII, mas também analisar o uso político da imagem de Zumbi. Segundo esse autor, o tio de Zumbi, Ganga Zumba, que chefiou o quilombo e, inclusive, firmou tratados de paz com as autoridades locais, acabou tendo sua imagem diminuída e pouco conhecida em razão da escolha ideológica de Zumbi como símbolo de luta dos negros.

Além dessa polêmica, há também o problema referente à própria estrutura e proposta de resistência dos quilombos no período colonial. Historiadores como José Murilo de Carvalho acentuam que grandes quilombos, como o de Palmares, não tinham o objetivo estrito de apartar-se completamente da sociedade escravocrata, tendo o próprio Quilombo dos Palmares participado do tráfico e do uso de escravos. Diz ele, na obra Cidadania no Brasil: “Os quilombos que sobreviviam mais tempo acabavam mantendo relações com a sociedade que os cercava, e esta sociedade era escravista. No próprio quilombo dos Palmares havia escravos”. (CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil. O longo Caminho. 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 48).

As polêmicas partem de indagações como: “Se Zumbi, que foi líder do Quilombo de Palmares, possuía escravos negros, a noção de luta por liberdade nesse contexto era bem específica e não pode colocá-lo como símbolo de resistência contra a escravidão”. A própria história da África e do tráfico negreiro transatlântico revela que grande parte dos escravos que a coroa portuguesa trazia para o Brasil Colônia era comprada dos próprios reinos africanos que capturavam membros de reinos ou tribos rivais e vendiam-nos aos europeus. Essa prática também ressoou, como atestam alguns historiadores, em dada medida, nos quilombos brasileiros.

Nesse sentido, a complexidade dos fatos históricos nem sempre pode adequar-se a anseios políticos. Os estudos históricos precisam dar conta dessa complexidade e fornecer elementos para compreender o passado e sua relação com o presente. Entretanto, esse processo precisa ser cuidadoso. O uso de datas comemorativas como marcos de memória suscita esse tipo de polêmica, que deve ser pensada e discutida criteriosamente, sem prejuízo nem das reivindicações sociais e, tampouco, da veracidade dos fatos.

Artigo escrito por Me. Cláudio Fernandes

domingo, 15 de novembro de 2015

Nossa História - SALVE 15 DE NOVEMBRO



Para encerrar os festejos deste feriado de 15 de novembro onde se comemora
“A Proclamação da República do Brasil”, transcrevo abaixo alguns poemas de
um pequeno livro que tenho em minha biblioteca, adquirido em um sebo de
nome POESIAS SOBRE DATAS NACIONAIS – POESIAS DIVERSAS PARA
O CURSO PRIMÁRIO, professora Maria José Pereira Teixeira do Grupo
Escolar Marechal Deodoro, raridade, já pesquisei para saber em que ano foi
escrito mas não encontrei nada, acredito que seja dos anos 50s.

                           AO MARECHAL DEODORO  




Deodoro foi o herói
Que a pátria defendeu
Por isso o Brasil
Seu nome não esqueceu

Salve! Salve! Deodoro!
A ti nossa gratidão
Que parte sinceramente
Do fundo do coração

Salve! mil vezes salve!
O marechal valoroso
Que proclamando a república
Fez o Brasil tão ditoso!

                      SALVE 15 DE NOVEMBRO

Nas páginas de nossa História está gravada
Esta data feliz, por nós sempre lembrada
É o 15 de Novembro, data gloriosa
Na nossa terra que se sente venturosa.

Que saudar com tôda emoção
O valoroso e bravo militar
Deodoro – que com veneração
Nossa pátria – há de sempre lembrar.

                      15 DE NOVEMBRO

Hoje é 15 de Novembro
Data mui venturosa
Em que a república se implantou
Na nossa pátria formosa

Quero dar um viva agora
Com tôda sinceridade
A Deodoro – o marechal
Lembrado aqui com saudade.

              SALVE 15 DE NOVEMBRO

Coleguinhas, aqui venho
Dar a minha saudação
Ao dia da república
De nossa cara nação.

Salve data venturosa
Salve 15 de Novembro
Salve data tão gloriosa
Da qual sempre me lembro.

LIVRO - O POVO BRASILEIRO - Darcy Ribeiro



"Para osquechegavam, omundoemqueentravameraaarenados seus
ganhos,em ouroeglórias. Para osíndios quealiestavam, nus na praia, o
mundoeraumluxodeseviver.Estefoioencontrofatalquealisedera.Ao
longodaspraiasbrasileirasde1500,sedefrontaram,pasmosdeseverem
unsaosoutros talqualeram,aselvageriaeacivilização.Suasconcepções,
não diferentesmas opostas, domundo, da vida, damorte, do amor, se
chocaram cruamente. Os navegantes, barbudos, hirsutos, fedentos,
escalavradosdeferidasdeescorbuto,olhavamoquepareciaserainocência
e a beleza encarnadas. Os índios, esplêndidos de vigor e de beleza, viam,
aindamaispasmos,aquelesseresquesaíamdomar."


Darcy Ribeiro
"Darcy Ribeiro é um dos maiores intelectuais que o Brasil teve. Não
apenas pela alta qualidade do seu trabalho e da sua produção de
antropólogo, de educador e de escritor, mas também pela incrível
capacidadedevivermuitasvidasnumasó,enquantoamaioriadenós mal
consegueviveruma."



AntonioCandido,FolhadeS.Paulo


ASSISTA DOCUMENTÁRIO 'O POVO BRASILEIRO' -  https://www.youtube.com/watch?v=Dmi0Jn_9sPA&list=PLjHmQpe56BuI4KCZZzCETWKT5afqFL-lo


Baixe o livro  "O Povo Brasileiro", de Darcy Ribeiro

RESENHA DO LIVRO 'O POVO BRASILEIRO', por Fábio de Oliveira Ribeiro. 
Logo na introdução, Darcy Ribeiro desfaz o mito da integração racial pacífica. Segundo ele a unidade nacional resultou de “...um processo continuado e violento de unificação política, logrado mediante um esforço deliberado de supressão de toda identidade étnica discrepante e de repressão e opressão de toda tendência virtualmente separatista.” Portanto, esqueça todas as belas e possivelmente inverídica palavras que você já leu sobre este país. O Brasil não foi palco nem de uma farsa, nem de uma comédia, mas de uma tragédia.



Por baixo da aparente “...uniformidade cultural brasileira, esconde-se uma profunda discrepância, gerada pelo tipo de estratificação que o processo de formação nacional produziu. O antagonismo classista que corresponde a toda estratificação social aqui se exacerba, para opor uma estreitíssima camada privilegiada ao grosso da população, fazendo as distâncias sociais mais intransponíveis que as diferenças raciais.”



Em razão deste processo “...as elites dirigentes, primeiro lusitanas, depois luso-brasileiras e, afinal, brasileiras, viveram sempre e vivem ainda sob o pavor pânico do alçamento das classes oprimidas.” O Brasil não é um país de oportunidades. A mobilidade social é praticamente inexistente. “O mais grave é que esse abismo não conduz a conflitos tendentes a transpô-lo, porque se cristalizaram num ‘modus vivendi’ que aparta os ricos dos pobres, como se fossem castas e guetos. Os privilegiados simplesmente se isolam numa barreira de indiferença com a sina dos pobres, cuja miséria repugnante procuram ignorar ou ocultar numa espécie de miopia social, que perpetua a alteridade. O povo massa, sofrido e perplexo, vê a ordem social como um sistema sagrado que privilegia uma minoria contemplada por Deus, à qual tudo é consentido e concedido.”



Um exemplo claro de como as desigualdades originais ainda ecoam e são reforçadas na sociedade brasileira pode ser visto todos os dias nos telejornais. Se alguém da classe rica morre a cobertura jornalística é intensa, dramática e individualiza detalhadamente a vítima. O morto tem direito à uma história, sua perda é lamentada em função daquilo que ainda estaria em condição de realizar.



Quando os pobres são abatidos como moscas nos conflitos entre policiais e traficantes a imprensa relata apenas o que considera essencial: “conflito no morro do Alemão fez 19 vitimas”. Recentemente, no horário nobre, a Rede Globo despretensiosamente assumiu a versão de que “todos os 19 mortos no morro do Alemão eram criminosos”. Ao contrário do janota, os pobres não têm história. E apesar da CF88 prescrever que todos são iguais perante a Lei, a imprensa nega aos pobres brasileiros o direito de serem considerados honestos,  processados e condenados pelo Poder Judiciário ao invés de abatidos como animais. A mídia transforma a pobreza em crime e reforça esta idéia nos expectadores pobres.



No primeiro capítulo, Darcy nos dá um panorama do Novo Mundo. E nos diz o que poucos tem dito “...só temos o testemunho de um dos protagonistas, o invasor. Ele é quem nos fala de suas façanhas. É ele também, quem relata o que decidiu aos índios e negros, raramente lhes dando a palavra de registro de suas próprias falas. O que a documentação copiosíssima nos conta é a versão do dominador.”



No segundo capítulo, o autor trata da gestação ética, ou seja, do processo de fusão das matrizes indígena, negra e lusitana. “Custando uma quita parte do preço de um negro importado, o índio cativo se converteu no escravo dos pobres, numa sociedade em que os europeus deixaram de fazer qualquer trabalho manual. Toda tarefa cansativa, fora do eito privilegiado da economia de exportação, que cabia aos negros, recaía sobre o índio.” É interessante notar que a legislação colonial proibia expressamente a escravização do gentio. Mas então como agora os privilegiados não eram lá muito legalistas.



À medida que os portugueses faziam filhos nas negras e índias, uma nação de mestiças foi sendo criada. “Os brasilíndios ou mamelucos paulistas foram vítimas de duas rejeições drásticas. A dos pais, com quem queriam identificar-se, mas que os viam como impuros filhos da terra, aproveitavam bem seu trabalho quando meninos e rapazes e, depois, os integravam a suas bandeiras, onde muitos deles fizeram carreira. A segunda rejeição era do gentio materno. Na concepção dos índios, a mulher é um simples saco em que o macho deposita a semente. Quem nasce é o filho do pai, e não da mãe, assim visto pelos índios. Não podendo identificar-se com uns nem com outros de seus ancestrais, que o rejeitavam, o mameluco caía numa terra de ninguém, a partir da qual constrói sua identidade de brasileiro.”



Nem todas as tribos indígenas tiveram o mesmo destino. Algumas foram exterminadas em razão de serem hostis. Outras fugiram para o interior. Outras, ainda, foram desmanteladas nos descimentos. À medida que o gentio do litoral se tornava escasso, os colonos e seus mamelucos capturavam índios das mais diversas origens culturais e lingüísticas no interior e os reuniam em grandes aldeamentos próximos ao litoral onde ficavam à disposição para serem escravizados e catequizados. Mas alguns “...grupos tribais, ainda que conscritos à economia colonial, lograram manter certa autonomia na qualidade de aliados dos brancos para suas guerras contra outros índios. O relevante neste caso é que, em lugar de amadurecerem para a civilização - passando progressivamente da condição tribal à nacional, da aldeia à vila, como supuseram tantos historiadores - , esses núcleos autônomos permaneceram irredutivelmente indígenas ou simplesmente se extinguiram pela morte de seus integrantes.”



Algum tempo depois de consolidar a ocupação do litoral, os portugueses começaram a trazer os negros africanos para a lida nos engenhos de açúcar. “A diversidade lingüística e cultural dos contingentes negros introduzidos no Brasil, somada a essas hostilidades recíprocas que eles traziam da África e à política de evitar a concentração de escravos oriundos de uma mesma etnia, nas mesmas propriedades, e até nos mesmos navios negreiros, impediu a formação de núcleos solidários que retivessem o patrimônio cultural africano.” Portanto, o processo de destruição das culturas indígenas e negras foi bastante semelhante.



Ribeiro descreve em detalhes o empreendimento colonial. “A empresa escravista, fundada na apropriação de seres humanos através da violência mais crua e de coerção permanente, exercida através dos castigos mais atrozes, atua como uma mó desumanizadora e deculturadora de eficácia incomparável. Submetido a essa compressão, qualquer povo é desapropriado de si, deixando de ser ele próprio, primeiro, para ser ninguém ao ver-se reduzido a uma condição de bem semovente, como um animal de carga; depois, para ser de outro, quando transfigurado etnicamente na linha consentida pelo senhor, que é a mais compatível com a preservação dos seus interesses.”



Apoiado em vasta literatura, Darcy Ribeiro informa que o “...tupi foi a língua materna desses neobrasileiros até meados do século XVIII.” Sobre o nome Brasil esclarece que velhas “...cartas do mar oceano traziam registros de uma ilha Brasil referida provavelmente por pescadores ibéricos que andavam a cata de bacalhau...”. Portanto, não foi o Pau Brasil que deu o nome ao país. O mais provável é que os habitantes da terra que utilizavam o nome Brasil o tenham atribuído à arvore que constituiu a primeira grande matéria prima extraída do Novo Mundo.



Apesar da carência de registros genuinamente indígenas (ou seja, produzidos pelos índios), o autor sustenta que “...o Brasil é a realização derradeira e penosa dessas gentes tupis, chegadas à costa atlântica um ou dois séculos antes dos portugueses, e que, desfeitas e transfiguradas, vieram dar no que somos: latinos tardios de além-mar, amorenados na fusão com brancos e com pretos, deculturados das tradições de suas matrizes ancestrais, mas carregando sobrevivências delas que ajudam a nos contrastar tanto com os lusitanos.”



A tese de Dacy Ribeiro se coaduna com a toponímia tupi que foi preservada pelos brasileiros. Quase todos os nomes das localidades, rios, acidentes do terreno, etc. na costa ou próximo da costa são de origem Tupi. Quando subiram a serra através dos “peabirús” (caminhos de índio que já existiam antes de 1500) os portugueses chegaram a “Piratininga“, aldeamento provisório próximo aos rios “tietê” e “tamanduateí”.



Sempre bastante cuidadoso o autor afirma que o “...surgimento de uma etnia brasileira, inclusiva, que possa envolver a gente variada que aqui se juntou, passa tanto pela anulação das identificações étnicas de índios, africanos e europeus, como pela diferenciação entre as várias formas de mestiçagem, como os mulatos (negros com brancos), caboclos (brancos com índios) e curibocas (negros com índios).”



O nascimento da consciência brasileira remonta a Gregório de Matos (1633-1696). Os textos de Anchieta, Nóbrega e outros letrados foram desconsiderados porque eles se identificavam mais com a etnia do colonizador do que com a gente da terra. Já Gregório de Matos zombava da nobreza baiana usando uma perspectiva que o aproximava mais dos habitantes nativos.



“A historieta clássica, tão querida dos historiadores, segundo a qual os índios foram amadurecendo para a civilização de forma que cada aldeia foi se convertendo em vila, é absolutamente inautêntica.” Segundo Darcy Ribeiro o “...índio é irredutível em sua identificação étnica, tal como ocorre com o cigano ou com o judeu. Mais perseguição só os afunda mais convictamente dentro de si mesmos.” Sendo assim, a incorporação dos índios ao patrimônio nacional “...só se faz no plano biológico e mediante o processo, tantas vezes referido, de gestação de mamelucos, filhos do dominador com as mulheres desgarradas de sua tribo, que se identificavam com o pai e se somavam ao grupo paterno.”



Um pouco mais adiante o autor dá detalhes escabrosos do tráfico negreiro. O contingente de negros incorporados ao empreendimento colonial era 30.000 em 1600; quantia esta que subiu para 1.500.000 em 1800. Darcy Ribeiro frisa, entretanto, que é difícil quantificar o total de negros que foram trazidos ao Brasil. Mas alerta que “...os concessionários reais do tráfico negreiro tiveram um dos negócios mais sólidos da colônia, que duraria três séculos, permitindo-lhes transladar milhões de africanos ao Brasil e, deste modo, absolver a maior parcela do rendimento das empresas açucareiras, auríferas, de algodão, de tabaco, de cacau e de café, que era o custo da mão-de-obra escrava.“ Aos negros devemos não só a construção das cidades coloniais, mas a introdução das técnicas de mineração. Em razão de seus cálculos, o autor concluiu que “um total de 6.352.000 escravos <foram> importados entre 1540 e 1860.”



O terceiro capítulo do livro é simplesmente primoroso. Usando uma escrita envolvente e absolutamente envolvente, Dacy Ribeiro narra as Guerras do Brasil e os descaminhos da Empresa Brasil. “O conflito interétnico se processo no curso de um movimento secular de sucessão ecológica entre a população original do território e o invasor que fustiga a fim de implantar um novo tipo de economia e sociedade. Trata-se, por conseguinte, de uma guerra de extermínio.” Os capítulos desta guerra são conhecidos: guerra entre portugueses e índios que não aceitaram o jugo luso (Revolta dos Tamoios); guerra entre colonos e jesuítas que defendiam os índios; guerras entre lusitanos e caboclos (Cabanos); guerra entre negros fugidos e senhores de escravos (Palmares) e guerras entre pobres e fazendeiros (Canudos).



Todos os conflitos referidos e detalhados pelo autor tinham um único propósito: possibilitar a exploração da Empresa Brasil. “No plano econômico, o Brasil é produto da implantação e da interação de quatro ordens de ação empresarial, com distintas funções, variadas formas de recrutamento da mão-de-obra e diferentes graus de rentabilidade. A principal delas, por sua alta eficácia operativa, foi a empresa escravista, dedicada seja à produção de açúcar, seja à mineração de ouro, ambas baseadas na força de trabalho importada da África. A segunda, também de grande êxito, foi a empresa comunitária jesuítica, fundada na mão-de-obra servil dos índios. Embora sucumbisse na competição com a primeiro, e nos conflitos com o sistema colonial, também alcançou notável importância e prosperidade. A terceira, de rentabilidade muito menor, inexpressiva como fonte de enriquecimento, mas de alcance social substancialmente maior, foi a multiplicidade de microempresas de produção de gêneros de subsistência e de criação de gado, baseada em diferentes formas de aliciamento de mão-de-obra, que iam de formas espúrias de parceria até a escravização do indígena, crua ou disfarçada.”



Um pouco mais adiante, o autor esclarece que sobre as três esferas empresariais “... pairava, dominadora, uma quarta, constituída pelo núcleo portuário de banqueiros, armadores e comerciantes de importação e exportação.” Ninguém deve estranhar a semelhança entre o Brasil deste início de século XXI e o descrito por Darcy Ribeiro. O setor bancário ocupa o topo da pirâmide econômica (auferindo da União 150 bilhões de juros ano), logo abaixo vem o agronegócio voltado para a exportação baseado no latifúndio produtivo, em que a produção mecanizada é complementada pelo trabalho braçal remunerado com salários baixíssimos. A grande maioria dos brasileiros de hoje é paupérrima, exatamente como foram seus antepassados.



A ocupação territorial posterior à invasão lusitana ocorreu em função da exploração econômica colonial. Até bem pouco tempo a urbanização era incipiente. “As cidades e vilas da rede colonial, correspondentes à civilização agrária, eram, essencialmente, centros de dominação colonial criados, muitas vezes, por ato expresso da Coroa para defesa da Costa, como Salvador, Rio de Janeiro, São Luis, Belém, Florianópolis e outras.” O interior foi ocupado lenta e paulatinamente em função da necessidade de obtenção de mão-de-obra indígena, da incorporação de novas áreas à exploração comercial e a busca de ouro, prata e pedras preciosas. Durante vários séculos o Brasil foi um país essencialmente agrário. A intensificação da urbanização ocorreu apenas no século XX e mesmo assim não acarretou uma substancial modificação da estrutura sócio-econômica.



“Em nossos dias, o principal problema brasileiro é atender essa imensa massa urbana que, não podendo ser exportada, como fez a Europa, deve ser reassentada aqui. Está se alcançando, afinal, a consciência de que não é mais possível deixar a população morrendo de fome e se trucidando na violência, nem a infância entregue ao vício e a delinqüência e à prostituição. O sentimento generalizado é de que precisamos tornar nossa sociedade responsável pelas crianças e anciãos. Isso só se alcançará através da garantia de pleno emprego, que supõe uma reestruturação agrária, porque ali é onde mais se pode multiplicar as oportunidades de trabalho.”



Estas palavras otimistas devem ter soado mal ao próprio autor. No parágrafo seguinte ele acrescenta que não “...há nenhum indício, porém, de que isso se alcance. A ordem social brasileira, fundada no latifúndio e no direito implícito de ter e manter a terra improdutiva, é tão fervorosamente defendido pela classe política e pelas instituições do governo que isso se torna impraticável.”



Darcy Ribeiro faz uma longa dissertação sobre a deterioração urbana e alerta. “Hoje em dia é o crime organizado como grande negócio que cumpre o encargo de viciar e satisfazer o vício de 1 milhão de drogados. Quem quiser acabar com o crime organizado, deve conter o subsídio ao vício dado pelos norte-americanos.”



Após dar detalhes sobre cada uma das classes sociais brasileiras o autor frisa que essa “...estrutura de classes engloba e organiza todo o povo, operando como um sistema autoperpetuante da ordem social vigente. Seu comando natural são as classes dominantes. Seus setores mais dinâmicos as classes intermediárias. Seu núcleo mais combativo, as classes urbanas. E seu componente majoritário são as classes oprimidas, só capazes de explosões catárticas ou de expressão indireta de sua revolta. Geralmente estão resignadas com seu destino, apesar da miserabilidade em que vivem, e por sua incapacidade de organizar-se e enfrentar os donos do poder.”



A distância entre as classes ricas e as pobres sempre foram e ainda são abissais no Brasil. “Essas diferenças sociais são remarcadas pela atitude de fria indiferença com que as classes dominantes olham para esse depósito de miseráveis, de onde retiram a força de trabalho de que necessitam.” Em seus estudos e pesquisas Darcy Ribeiro notou que a “...classe dominante bifurcou sua conduta em dois estilos contrapostos. Um, presidido pela mais viva cordialidade nas relações com seus pares; outro, remarcado pelo descaso no trato com os que lhe são socialmente inferiores.”



Em razão da mestiçagem “...mais do que preconceitos de raça ou de cor, têm os brasileiros arraigado preconceitos de classe. As enormes distâncias sociais que medeiam entre pobres e remediados, não apenas em função de suas posses mas também pelo seu grau de integração no estilo dos grupos privilegiados - como analfabetos ou letrados, como detentores de um saber vulgar transmitido oralmente ou de um saber moderno, como herdeiros da tradição folclórica ou do patrimônio cultural erudito, como descendentes de famílias bem situadas ou de origem humilde - opõe pobres e ricos muito mais do que negros e brancos.”



Quando chegam ao Brasil a partir do final do século XIX os imigrantes europeus encontram um país socialmente estruturado em todo território nacional. Sua única opção foi a integração cultural e, em razão dela, a paulatina miscigenação. “Não ocorre no Brasil, por conseguinte, nada parecido com o que sucedeu nos países rio-platenses, onde uma etnia original numericamente pequena foi submetida por massas de imigrantes que, representando quatro quintos do total, imprimiram uma fisionomia nova, caracteristicamente européia, à sociedade e à cultura nacional, transfigurando-os de povos novos em povos transplantados.”



Apesar de algum dinamismo econômico o Brasil não deslancha em razão da preservação de sua arcaica estrutura sócio-cultural. A oposição entre os interesses do patronato empresarial, de ontem e de hoje, e os interesses do povo brasileiro” freiam o pleno desenvolvimento do país. Segundo Darcy Ribeiro as classes dirigentes brasileiras são muito parecidas aos consulados romanos, pois ao longo de séculos tem agido “...como representantes locais de um poder externo, primeiro colonial, depois imperialista, a que servem como agentes devotados e de quem tiram sua força impositiva.” Em razão deste característica consular a elite econômico-financeira do Brasil não se sente responsável “... pelo destino da população que, a seus olhos, não constitui um povo, mas uma força de trabalho, ou melhor, uma fonte energética desgastável nas façanhas empresariais.”



O magnífico, profundo e bem escrito livro O POVO BRASILEIRO tem ainda dois capítulos. No quarto Darcy Ribeiro percorre as entranhas da história do país para esmiuçar as principais características e façanhas do Brasil crioulo, do Brasil caboclo, do Brasil sertanejo, do Brasil caipira e dos Brasis sulinos (gaúchos, matutos e gringos). No último usa toda sua eloqüência e maestria para escarafunchar os destinos do país. Mas como já dei ao leitor um panorama geral da obra fico por aqui. Para obter informações adicionais sobre Dacy Ribeiro e sua obra consulte http://www.fundar.org.br/ .

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Dúvida: Enfim (junto) ou em fim (separado)?




A palavra enfim é um advérbio de tempo que tem o mesmo sentido de "finalmente".

Exemplo:

Enfim nós vamos conseguir comprar a casa 
(ou seja: finalmente nós vamos conseguir comprar a casa)

Em fim (separado) é uma locução adverbial, ou seja: é a união de duas ou mais palavras que funcionam como um advérbio. Nesse caso, "em fim" tem o mesmo sentido de "no final de alguma coisa". Ou seja: sempre usamos "em fim de alguma coisa". 

Exemplo:

Aquele professor chato já deve se aposentar porque ele está em fim de carreira. 
(ou seja: no final da carreira dele).